geração-millennials

Geração Millennials: como consomem conteúdo (e como envolvê-los)?

Com um poder de gasto anual projetado para atingir US $ 1,4 trilhão até 2020, não é de admirar que a geração Millennials seja um tema quente para os profissionais de marketing.

Mais do que nunca, as empresas precisam adaptar suas estratégias de conteúdo para atrair a geração Millennials – mas como você efetivamente comercializar e engajar esse grupo?

Classificados como viciados em mídia social, preguiçosos e com pouca atenção, não faltam mitos e estereótipos para esse grupo. Mas, para melhor entretê-los, precisamos esclarecer os fatos.

O que os dados dizem?

Para começar, há um debate sobre o que constitui um Millennial. De um modo geral, o termo refere-se a “indivíduos que atingiram a idade adulta por volta da virada do século XXI”, com o ano de nascimento variando de 1976 a 2004. Embora esse intervalo varie entre os meios de comunicação e os pesquisadores.

Como era de se esperar, a geração Millennials não segue os mesmos padrões de consumo de seus predecessores, geração X e baby boomers. Graças ao boom da ciência da computação nos anos 90, sua identidade é amplamente moldada pelo crescimento em um mundo interconectado de smartphones e mídias sociais.

Participação do consumidor faz a diferença

Em comparação com os mais velhos, os Millennials confiam em recomendações de estranhos, especificamente na forma de conteúdo gerado pelo usuário ou conteúdo criado por usuários. (Isso inclui comentários, resenhas, fotos e vídeos). De fato, 93% leem comentários antes de fazer uma compra.

Talvez não seja nenhuma surpresa, dada a popularidade de sites de resenhas como o Reclame Aqui e comunidades nas redes sociais. As marcas não têm mais a última palavra, já que os Millennials se voltam esmagadoramente para a opinião e experiência dos outros, tanto anônimos quanto familiares.

Com um poder de gasto anual projetado para atingir US $ 1,4 trilhão até 2020, não é de admirar que a geração Millennials seja um tema quente para os profissionais de marketing.

Mais do que nunca, as empresas precisam adaptar suas estratégias de conteúdo para atrair a geração Millennials – mas como, efetivamente, comercializar e engajar esse grupo?

Classificados como viciados em mídias sociais, preguiçosos e com pouca atenção, não faltam mitos e estereótipos para esse grupo. Mas, para melhor entretê-los, precisamos esclarecer os fatos.

O que os dados dizem?

Para começar, há um debate sobre o que constitui um Millennial. De um modo geral, o termo refere-se a “indivíduos que atingiram a idade adulta por volta da virada do século XXI”, com o ano de nascimento variando de 1976 a 2004. Embora esse intervalo varie entre os meios de comunicação e os pesquisadores.

Como era de se esperar, a geração Millennials não segue os mesmos padrões de consumo de seus predecessores, geração X e baby boomers. Graças ao boom da ciência da computação nos anos 90, sua identidade é amplamente moldada pelo crescimento em um mundo interconectado de smartphones e mídias sociais.

Participação do consumidor faz a diferença

Em comparação com os mais velhos, os Millennials confiam em recomendações de estranhos, especificamente na forma de conteúdo gerado pelo usuário ou conteúdo criado por usuários. (Isso inclui comentários, resenhas, fotos e vídeos). De fato, 93% leem comentários antes de fazer uma compra.

Talvez não seja nenhuma surpresa, dada a popularidade de sites de resenhas como o Reclame Aqui e comunidades nas redes sociais. As marcas não têm mais a última palavra, já que os Millennials se voltam esmagadoramente para a opinião e experiência dos outros, tanto anônimos quanto familiares.

Geração Millennials ainda leem

Segundo o Pew Research Center, a geração Millennials preferem ler e não assistir às notícias. E ao contrário das gerações mais antigas, a maioria (81%) prefere ler texto digital do que impresso.

Essa distinção ressalta por que os meios on-line são necessários para qualquer estratégia de marketing.

Gastos com experiência?

Notícias e mídia frequentemente atribuem o apocalipse do varejo aos Millennials, alegando que eles gastam mais em experiências do que com coisas materiais, por exemplo, ingressos de cinema ou de shows ao invés de um novo veículo ou roupas.

No entanto, de acordo com um estudo da Deloitte, os Millennials gastam relativamente a mesma quantidade como gerações mais velhas em experiências. Na verdade, para refeições e gastos com entretenimento, os Millennials gastam cerca de 2% a menos que os jovens de 18 a 34 anos de três décadas atrás.

Então, com o que a geração Millennial estão gastando mais? Acontece que esses consumidores gastam mais em assistência médica, moradia e previdência social, e não na suposta experiência que os meios de comunicação afirmam.

Responsabilidade Social

Os resultados do Relatório sobre os Millennials 2017 da Deloitte revelam que esse grupo considera os negócios como “uma força para uma mudança positiva”. Esse sentimento se reflete na expectativa de que as empresas almejam mais do que apenas lucro, com os Millennials mais aptos a apoiar marcas que apoiam uma causa.

O crescimento das vendas de alimentos orgânicos é apenas um exemplo disso, pois a geração Millennials expressam mais entusiasmo pelo meio ambiente do que as gerações mais velhas. A sustentabilidade não é a única chave para a carteira de um Millennial, no entanto eles também se preocupam com direitos civis, saúde e desemprego.

Como você pode melhorar o mercado para os Millennials

É verdade – a geração Millennials estão entre os clientes menos engajados de hoje e menos de 7% se identificam como leais à marca. No entanto, isso não significa que eles sejam uma causa perdida para o marketing. Em vez disso, eles simplesmente exigem uma abordagem de marketing diferente.

Faça o seu conteúdo compatível com dispositivos móveis

Não é surpresa que 94% dos Millennials tenham um smartphone em comparação com 46% das pessoas com 65 anos ou mais. Como resultado, os Millennials estão mais confortáveis ​​usando seus telefones para as necessidades regulares de navegação, tornando imperativo que seu conteúdo da Web seja compatível com dispositivos móveis.

Embora as taxas de compra pela internet ainda sejam superadas por compras físicas, o conteúdo para dispositivos móveis transformou- se um parceiro de compras, ajudando os clientes a pontuar cupons, comparar preços e verificar a disponibilidade do produto.

Desenvolva Personas do Usuário

Dado que os Millennials são a geração adulta mais diversificada da história, é errado comercializá-los como um grupo homogêneo. No entanto, muitas empresas o fizeram, resultando em campanhas surdas. Dê uma olhada no comercial da Chevrolet para o Cruze 2016:

rastreamento ocular mostrou que palavras de 2 a 3 letras são ignoradas em quase 75% do tempo. Como as palavras de 8 letras atraem mais atenção, os profissionais de marketing devem usar palavras mais longas para começar os parágrafos.

Deixe sua comunicação autêntica

Mensagens diretas e anúncios que se esforçam muito para atrair esse público-alvo são excessivos e exagerados. Você pode ver isso com o comunicado com emoji da Chevrolet, que acabou errando o alvo, usando o artifício visual em toda sua mensagem, não conseguindo um total entendimento do seu público.

geração Millennials
Chevrolet – Comunicado em forma de emoji

As estratégias de marketing devem se concentrar na autenticidade da marca – o que significa cultivar uma mensagem clara e precisa para o seu produto e/ou serviço.

Tome cuidado também com o humor, para não parecer forçado e tentativas de ser inteligente podem facilmente sair pela culatra.

Construa relacionamentos com clientes por meio de blogs e mídias sociais

Quando bem executado, o blog pode estabelecer a presença e a autoridade online de uma empresa sobre um assunto. Além disso, pode melhorar os relacionamentos com os clientes falando diretamente com eles, mostrando os valores e a personalidade de uma empresa.

O mesmo vale para as mídias sociais. Os consumidores da geração Millennials respondem positivamente às empresas com forte presença em canais como Facebook, Twitter e Instagram.

Graças a essas redes sociais, a distância entre empresas e clientes é a menor. A mídia social preenche a lacuna, incentivando não apenas a interação da marca e do consumidor, mas também a interação do consumidor com políticos e celebridades.

Aqui na agência Danza, utilizamos ferramentas que analisam o comportamento do consumidor da geração millennials e de todas as outras gerações. Por meio da criação de personas baseadas em pesquisa, web analytics e dados de compra de mídia cruzados com o database do cliente, a fim de entregar o conteúdo certo para a pessoa certa.

Para evitar estereótipos em seus clientes, incorpore as personas de usuário em sua estratégia de marketing. As pessoas ajudam a impulsionar o conteúdo e a garantir que sua mensagem se alinhe ao gosto do cliente.

 

 

Gostou? Compartilhe: